O Jogo Digital Quiz PG nas Aulas de Matemática: possibilidades para o Ensino e Aprendizagem de Progressão Geométrica

  • Carloney Alves de Oliveira Universidade Federal de Alagoas
  • Williane Costa Ferreira Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: Jogos digitais, Progressão geométrica, App Inventor 2

Resumo

Este artigo, fruto de uma dissertação de mestrado vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM/UFAL), traz resultados de um estudo de caráter exploratório do tipo participante, com abordagem qualitativa sobre o uso dos jogos digitais como ambientes interativos de aprendizagem, com o objetivo de analisar quais resultados o jogo digital Quiz PG pode produzir a partir da sua utilização didática para o aprendizado do conteúdo de Progressão Geométrica (P.G.). Desta feita, a pesquisa buscou responder o seguinte questionamento: Quais resultados o jogo digital Quiz PG pode produzir a partir da sua utilização didática para o aprendizado do conteúdo de Progressão Geométrica (P.G.)? Ademais, este estudo explicita o jogo digital Quiz PG que foi desenvolvido pelos autores por meio da linguagem de programação do App Inventor 2 e utilizado numa turma da primeira série do ensino médio, no intuito de contribuir para o ensino e aprendizagem de Progressão Geométrica. Os resultados da pesquisa apontam para uma gama de possibilidades do uso de jogos digitais em prol do ensino e aprendizagem de Matemática. Além disto, compreendemos que tanto os jogos educacionais quanto os comerciais são ambientes interativos que podem proporcionar boas aprendizagens, ambientes que precisam ser mais explorados por professores e alunos nas aulas de Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carloney Alves de Oliveira, Universidade Federal de Alagoas

Pós-doutro em Educação (UFS). Doutor em Educação Brasileira (UFAL) na linha de pesquisa Tecnologia da Informação e Comunicação na Formação do Professor, Mestre em Educação Brasileira (UFAL), Especialização em Metodologia do Ensino da Matemática pela Faculdade Internacional de Curitiba e Graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Atualmente é professor Adjunto na Universidade Federal de Alagoas, do Centro de Educação (CEDU), na área de Saberes e Metodologias do Ensino da Matemática e professor vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM) e ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alagoas. Experiência na área de Matemática, Metodologia e Prática de Ensino da Matemática, Educação Matemática, Formação de Professor, Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação, Educação a distância, Ambientes Virtuais de Aprendizagem, Jogos Digitais, Gamificação e Dispositivos Móveis.

Williane Costa Ferreira, Universidade Federal de Alagoas

Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Alagoas. Professora da Rede Estadual de Alagoas.

Referências

ALVES, Lynn Rosalina Gama. Game over: jogos eletrônicos e violência. 2004. 211f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

ALVES. Lynn. Games e educação: desvendando o labirinto da pesquisa. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 177-186, jul./dez. 2013.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. Ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

CARVALHO, Ana Amélia Amorim. Jogos digitais e Gamification: desafios e competição para aprender na era mobile learning. In: FARIA, Ercília; PERDIGÃO, Rute (Orgs.). Aprendizagem, TIC e Redes Digitais. Seminários e Colóquios. Conselho Nacional de Educação. 2017. p. 112 – 144.

COUTINHO, Isa de Jesus; ALVES, Lynn. Os desafios e as possibilidades de uma prática baseada em evidências com jogos digitais nos cenários educativos. In: ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (Orgs.). Jogos digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. 1. Ed. Campinas: Papirus, 2016. p. 105 – 123.

GEE, James Paul. Bons videogames e boa aprendizagem. Perspectiva, v. 27, n. 1, p. 167 – 178. 2009.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. p. 1 – 175.

MANTOVANI, Ana Margô. A ubiquidade na comunicação e na aprendizagem: ressignificação das práticas pedagógicas no contexto da cibercultura. 2016. 165f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

MCGONIGAL, Jane. A realidade em jogo: por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. 1. ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2017. Edição do Kindle. Paginação irregular.

MINAYO. Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 1 – 108.

MOITA, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro. Games: contexto cultural e curricular juvenil. 2006. 173f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

MOITA, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro. Design metodológico para avaliar o game Angry Birds Rio e evidências da utilização em sala de aula. In: ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (Orgs.). Jogos digitais e aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências. 1. Ed. Campinas: Papirus, 2016. p. 163 – 178.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com o apoio das tecnologias. In: MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos Tarciso; BEHRENS, Maria Aparecida (Orgs.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. Ed. Campinas: Papirus, 2013. p. 11 – 72.

OLIVEIRA, Christine Bahia de; PINHEIRO, Cristiano Max Pereira; BARTH, Maurício; GERMANI, Adriana. Transmídia na publicidade: o Case Trakinas 3.0. Revista Científica On-line – Tecnologia, Gestão e Humanismo, Guaratinguetá, v. 6, n. 1, jun. 2016. Não paginado. Disponível em: <http://www.fatecguaratingueta.edu.br/revista/index.php/RCO-TGH/article/view/127/144>. Acesso em: 01 de mai./2020.

PAPERT, Seymour. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. 1. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 1 – 207.

PETRY, Luís Carlos. O conceito ontológico de jogo. In: ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (Orgs.). Jogos digitais e aprendizagem: Fundamentos para uma prática baseada em evidências. 1. Ed. Campinas – SP: Papirus, 2016. p. 17 – 42.

POETA, Cristian Douglas. Concepções metodológicas para o uso de jogos digitais educacionais nas práticas pedagógicas de Matemática no Ensino Fundamental. 2013. 87f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Luterana do Brasil, Canoas.

PRETTO, Nelson De Luca. Uma escola sem/com futuro: educação e multimídia. 8. ed. rev. e atual. Salvador: EDUFBA, 2013. 286 p.

RAMOS, Daniela Karine; CRUZ, Dulce Márcia. A tipologia de conteúdos de aprendizagem nos jogos digitais: o que podemos aprender? In: RAMOS, Daniela Karine; CRUZ, Dulce Márcia (Orgs.). Jogos digitais em contextos educacionais. 1. Ed. Curitiba: CRV, 2018. p. 20 – 48 (livro em formato digital). Paginação irregular.

SANTAELLA, Lucia. A aprendizagem ubíqua na educação aberta. Tempos e Espaços em Educação, v. 7, n. 14, p. 15 – 22, set./dez. 2014.

TELLES, Helyom Viana; ALVES, Lynn. Ensino de História e videogame: problematizando a avaliação de jogos baseados em representações do passado. In: ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa de Jesus (Orgs.). Jogos digitais e aprendizagem: Fundamentos para uma prática baseada em evidências. 1. Ed. Campinas – SP: Papirus, 2016. p. 125 – 146.

TONÉIS, Cristiano Natal. A Experiência Matemática no Universo dos Jogos Digitais: o processo do jogar e o raciocínio lógico e matemático. 2015. 149f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo.

Publicado
2021-03-27
Como Citar
Alves de Oliveira, C., & Costa Ferreira, W. (2021). O Jogo Digital Quiz PG nas Aulas de Matemática: possibilidades para o Ensino e Aprendizagem de Progressão Geométrica. Revista De Educação Matemática, 18, e021015. https://doi.org/10.37001/remat25269062v17id489
Seção
Artigos Científicos