Entre o Anunciado e o Realizado: as “Confusões” Presentes nas Produções do XI e XII Encontro Nacional de Educação Matemática no Tocante às Tarefas de Investigação Matemática

Palavras-chave: Investigação Matemática, Pesquisa Qualitativa., ENEM

Resumo

Assumindo os aspectos da pesquisa qualitativa, este artigo explicita uma análise dos trabalhos que enfocaram a Investigação Matemática enquanto tema de estudo e que foram publicados nas edições XI e XII do Encontro Nacional de Educação Matemática - ENEM. Com o objetivo de identificar, nesses trabalhos, possíveis equívocos na compreensão do que são tarefas de Investigação Matemática e, elucidar algumas diferenças entre elas e os demais tipos de tarefas matemáticas, interrogamos: as “confusões” entre as tarefas de Investigação Matemática e outros tipos de tarefas utilizadas para o ensino de Matemática estão presentes nos trabalhos sobre Investigação Matemática nas edições do XI e XII ENEM? Há especificidades que permitam distinguir uma tarefa de Investigação Matemática das tarefas de Modelagem Matemática? E das tarefas de Resolução de Problemas? E dos Exercícios? Como síntese do percebido e articulado afirmamos que, nas edições do XI e XII ENEM, houve a presença de equívocos na concepção do que são tarefas de Investigação Matemática, por vezes, confundidas com os demais tipos de tarefas, na maior parte dos casos, com as tarefas de Modelagem Matemática. Entre as diferenças percebidas, afirmamos que as tarefas de Investigação Matemática possuem estrutura aberta e situam-se em contextos exclusivamente matemáticos. Os problemas, apresentam-se situados nos contextos reais e semirreais, com estrutura enunciativa fechada e sem direcionamento e questionamento pré-estabelecido. As tarefas de Modelagem Matemática são estruturalmente abertas, situadas em contexto quase que exclusivamente reais e geralmente são compostas por notícias, vídeos e outros recursos que trazem à tona um tema não matemático para ser investigado. Ressaltamos a necessidade do cuidado e atenção à teoria, ao assumir diferentes metodologias para organizar o ensino de matemática, de modo que os aspectos teórico-metodológicos anunciados sejam condizentes com a prática realizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Foss, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
Possui graduação em Matemática (licenciatura) pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2018). Atualmente é discente (mestranda) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná no Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática (PPGECEM).
Paulo Wichnoski, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
Doutorando em Educação em Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Mestre em Ensino pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2016). Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2013). Nas atividades de pesquisa dedica-se à Investigação Matemática na Educação Matemática.
Tânia Stella Bassoi, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (1975), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (1998) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2006). É professora associada do colegiado de Matemática da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, do programa de pós Graduação em Ensino, do campus de Foz do Iguaçu e do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Educação Matemática do campus de Cascavel. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática,ensino de Matemática e formação de professores. Faz parte de grupo de pesquisa Formação de professores em Ciências e Matemática.

Referências

ALMOULOUD, Saddo Ag. Atividades para o ensino de Matemática na perspectiva da Didática da Matemática. In: EPREM – ENCONTRO PARANAENSE DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA., 10., 2009, Guarapuava. Anais... [S. l.]: SBEM, 2009. p. 992-1002.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. São Paulo: Contexto, 2006.

BIEMBENGUT, Maria Salett. Modelagem matemática como método de ensino aprendizagem de matemática em cursos de 1º e 2º graus. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática), Universidade Estadual Paulista – Júlio Mesquita Filho, Rio Claro, 1990.

BURAK, Dionisio. Modelagem Matemática: ações e interações no processo de ensino-aprendizagem. 1992. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

CALDEIRA, Ademir Donizeti. A modelagem matemática e suas relações com o currículo. In: IV Conferência Nacional sobre Modelagem na Educação Matemática – CNMEM. Anais... Feira de Santana: UEFS – 1CD-ROM, 2005.

FOSS, Ana Maria. Investigações matemáticas? 2018. 56 f. TCC (Graduação) - Curso de Graduação em Matemática, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Cascavel, 2018.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (Org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ufrgs, 2009. 120 p.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 206 p.

JUSTO, Jutta Cornelia Reuwsaat. Resolução de problemas matemáticos no ensino fundamental. Educação Matemática em Revista (EMR). v.1, n. 13, p. 37- 45. 2012, RS.

KLÜBER, Tiago Emanuel; BURAK, Dionísio. Concepções de modelagem matemática: contribuições teóricas. Educ. Mat. Pesqui., São Paulo, v. 10, n. 1, pp. 17-34, 2008a.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Departamento de Educação Básica. Diretrizes Curriculares da Educação Básica – Matemática. Curitiba: SEED, 2008.

PONTE, João Pedro da. Gestão Curricular em Matemática. In: O professor e o Desenvolvimento Curricular. Lisboa: APM, 2005. p. 11-34.

______. Investigações sobre investigações matemáticas em Portugal. Investigar em educação, 2, 93-169, 2003.

______; OLIVEIRA, Hélia; CUNHA, Maria Helena; SEGURADO, Irene. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1998.

PONTE, João Pedro da; BOAVIDA, Ana Maria; GRAÇA, M.; ABRANTES, Paulo. Didática da Matemática: Ensino Secundário. Lisboa: Ministério da Educação. Departamento do Ensino Secundário, 1997.

PRADO, Marlene Aparecida do; ALLEVATO, Norma Suely Gomes. O Ensino Aprendizagem-Avaliação de Geometria através da Resolução de Problemas. Acta Scientiae, v.12, n.1, p.24-42. jan./jun. 2010. Canoas, RS.

SANT’ANA, Alvino Alves; SANT’ANA, Marilaine de Fraga. Uma experiência com a elaboração de perguntas em Modelagem Matemática. In: VI CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Anais… Londrina: 2009.

SKOVSMOSE, Ole. Cenários para investigação. Bolema. n. 14, p. 66 – 91. Rio Claro: 2000.

WICHNOSKI, Paulo. Uma Metacompreensão da Investigação Matemática nas Produções do Programa de Desenvolvimento Educacional do Paraná – PDE. 155 f. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Programa de Pós-Graduação em Ensino, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Foz do Iguaçu, 2016.

WICHNOSKI, Paulo; FOSS, Ana Maria; BASSOI, Tânia Stella. Tarefas exploratórias e investigativas: uma análise dos trabalhos publicados no XI e XII Encontro Nacional De Educação Matemática. Boletim Online de Educação Matemática, [s.l.], v. 6, n. 12, p.145-162, 22 jan. 2019. Universidade do Estado de Santa Catarina. http://dx.doi.org/10.5965/2357724x06122018145.

Publicado
2020-01-18
Como Citar
Foss, A. M., Wichnoski, P., & Bassoi, T. S. (2020). Entre o Anunciado e o Realizado: as “Confusões” Presentes nas Produções do XI e XII Encontro Nacional de Educação Matemática no Tocante às Tarefas de Investigação Matemática. Revista De Educação Matemática, 17, e020002. https://doi.org/10.37001/remat25269062v17id254
Seção
Artigos Científicos